Segue a gente no Insta

@purebreakbrasil

O rapper mineiro acaba de lançar o terceiro álbum de sua carreira e, como esperado pela maioria dos fãs, está absolutamente incrível. O trabalho está cheio de discurso antirracista, crítica social e religiosidade. Pode crer que você vai pirar com cada uma das dez faixas do cara, disponíveis no YouTube.

Após o sucesso de "O Menino que Queria Ser Deus", o rapper Djonga lançou na última quarta-feira (13) seu mais novo trabalho, o álbum "Ladrão", que chega para provar mais uma vez que o cara veio para fazer história no Rap nacional. As dez faixas, que contam com parcerias com Filipe Ret, MC Kaio, Doug Now e Chris MC trazem mensagens mais que necessárias no cenário atual, falando de racismo, religião e mais.

O próprio Gustavo, aka Djonga - mineiro de 24 anos, nascido em Belo Horizonte, na Favela do Índio -, já disse que esse é seu melhor trabalho: "'Ladrão' é o melhor trabalho do Djonga, pois o Djonga não anda para trás, somente para frente. E é melhor porque é diferente dos outros dois, eu evolui como artista no modo geral, desde cantar até a parte lírica. Estou mais maduro, meu filho está maior, vive outras mil coisas". Sobre o título do álbum, o mineiro explicou: "Ladrão é isso: os caras chamam a gente de ladrão desde sempre. Ladrão, vagabundo. Então a gente 'rouba' e leva de volta para quem é dos nossos. Assim fica zero a zero".

Djonga fala de origem

Além do discurso antirracista, críticas ao governo e religiosidade, em "Ladrão", Djonga fala também sobre amadurecimento e resgate das suas raízes: "Origem é o grande lance desse trabalho. Muitos se esquecem de onde vieram, só pensam onde querem chegar, mas se você não souber de onde veio, já era, morre lá mesmo, de corpo físico ou espiritualmente, na consciência das pessoas".

Fica ligado no Purebreak que a gente te conta tudo sobre o mundo do Rap e sobre todas as novidades da música.

Principais
notícias
sobre
o mesmo tema