Segue a gente no Insta

@purebreakbrasil

Entre atrasos e eliminações, segundo o MEC, o funcionamento do Enem ocorreu de forma bastante positiva. O não vazamento da prova foi comemorado pelo Governo. Saiba mais sobre o preparatório nacional para o vestibular.

O maior Enem da história foi realizado este último fim de semana em todo o Brasil. Dos mais de 7,1 milhões de inscritos, segundo dados do Ministério da Educação (MEC), cerca de 5 milhões de candidatos fizeram o teste, uma taxa de 29% de abstenções.

O ano de 2013 foi marcado pelas expulsões de estudantes que usaram celular ou postaram imagens da prova em redes sociais. Ao todo foram 36 candidatos eliminados. Mas para que participou do exame, o gabarito estará disponível a partir do dia 30 de outubro, na internet, no site do Inep.

Já o resultado final será divulgado na primeira semana de 2014.

Resultados excelentes, segundo MEC

Em comunicado, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, reforçou o bom funcionamento do Enem 2013 e ainda exaltou o não vazamento de questões neste ano, que teve até reforço do Exército. "A segurança foi muito eficiente, não houve qualquer vazamento de qualquer informação, o que é central para garantir a isonomia dos estudantes."

Sobre as faltas, Mercadante disse que esta é uma constante desde 2009, quando a taxa chegou ao nível máximo de 37,7%. Este ano, número de participantes é recorde, 20% a mais que o de 2012. O crescimento, desde 2009, está em 95%.

Casos especiais no Enem 2013

Mais uma vez, os atrasos foram os maiores culpados das faltas no Enem 2013. Como nos outros anos, muitos candidatos manifestaram tristeza por não chegar a tempo ao local da prova.

Para o MEC, ainda ocorreram outros casos de particularidades neste ano, entre eles: o número recorde de gestantes inscritas (no total de 712 candidatas); as fortes chuvas no Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul; e locais com falta de luz.

O ocorrido de maior repercussão negativa, segundo o MEC, foi o do radialista da cidade mineira de Unaí, que tirou uma foto da prova no local do exame. De acordo com Mercadante, o objetivo do radialista era prejudicar o exame. Ele foi preso e pode ser enquadrado no Artigo 311-A do Código Penal.

Principais
notícias
sobre
o mesmo tema