Segue a gente no Insta

@purebreakbrasil

Solicitação de compra dos ingressos vai até dia 10 de outubro. FIFA afirma que os brasileiros foram os responsáveis pela maior procura dos tíquetes. A entidade ainda afirma que vai cobrar multa por desistência e cria polêmica com Código de Defesa do Consumidor.

Falta pouco para a Copa do Mundo do Brasil acontecer e a FIFA já está em comemoração. A entidade futebolística divulgou nesta quinta-feira (dia 03) que já conta com mais de 4,5 milhões de solicitações de compra para os ingressos de 64 partidas do campeonato. Ainda de acordo com a FIFA, 77% desses pedidos foram feitos por brasileiros. Isso equivale a cerca de 3,4 milhões de bilhetes. Na "disputa" por quem vai comprar mais, os argentinos estão em segundo na lista de pedidos, com um pouco mais de 223 mil. Esta primeira parte das vendas termina no dia 10 de outubro e 200 nacionalidades diferentes requisitaram pedidos de compra.

Ingressos mais procurados

A disputa mais acirrada fica por conta dos ingressos para os jogos de abertura, da final e os com a Seleção Brasileira. Em julho, a FIFA havia anunciado que somente três milhões de entradas serão vendidas. Parece que a situação mudou, né!

Ainda outros 350 mil convites seriam disponibilizados pela entidade para VIPs, para as seleções e o Comitê Organizador Local (COL). Idosos, estudantes e beneficiários do Bolsa Família terão direito a 300 mil ingressos.

Não pode desistir dos ingressos

O pedido de solicitação dos ingressos para a Copa 2014 não podem ser cancelados. No comunicado da FIFA, a entidade avisa que aplicará multa aos compradores que não quiserem mais os tíquetes reservados pela internet.

A decisão tem gerado polêmica! Isso porque o Código de Defesa do Consumidor (CDC) afirma que as vendas feitas fora de estabelecimentos comerciais podem ser devolvidas até sete dias que o produto for entregue. Mesmo assim, a FIFA disse que irá cobrar 20% do preço da entrada no caso de cancelamentos. Por causa dos valores dos ingressos, a penalidade pode ser de R$ 3 a R$ 396.

Principais
notícias
sobre
o mesmo tema