Segue a gente no Insta

@purebreakbrasil

A paulista de 21 anos de idade acaba de chegar na cidade holandesa Nijmegen e garante: "É tudo diferente".

Após alguns meses longe de casa, a rotina de um intercambista pode parecer bem tranquila. Porém, como se acostumar com a mudança de um país logo nos primeiros dias? É exatamente por essa fase, talvez uma das mais complicadas de todo o processo, que Sophia Rodrigues está passando, aos 21 anos de idade. Assim como o estudante Willian Lessa Ribeiro, que abandonou a comodidade de sua cidade natal para se arriscar fora do Brasil, a jovem também resolveu passar pela experiência.

"Eu demorei pra assimilar que estava saindo do país, sabe? Só me dei conta quando cheguei", conta a menina, que optou pela Holanda como destino final. "Escolhi a Holanda meio que aleatoriamente, na verdade. Optei pela Europa para poder viajar para vários lugares", explica.

A paulista, que investe no curso de Farmácia nas terrinhas brasileiras, espera se deparar com novos desafios durante a jornada. "Quis fazer intercâmbio para conhecer pessoas de diversos países, culturas novas, lugares diferentes, melhorar o inglês", revela. Em sua primeira semana na cidade holandesa Nijmegen, a viajante está no auge da luta pela adaptação e confessa: "Até o segundo dia foi bem difícil, chorei muito! Porque, apesar de falarem em inglês, tudo aqui está em holandês... bancos, mercado, placas de rua. Então é difícil, mas estou melhorando a cada dia que passa".

"O clima é todo bagunçado, bem diferente. As ruas são largas e planas, é tudo muito limpo, as pessoas são mais fechadas, se vestem diferentes, a língua é bem estranha! É tudo diferente", desabafa a garota, que, apesar de todas as dificuldades, está aproveitando ao máximo a oportunidade de estudar no exterior. Agora, ao final da aventura, daqui a um ano, Sophia só tem um desejo: "Voltar pra casa!".

(Escrito por Dóris Marinho)

Principais
notícias
sobre
o mesmo tema