Segue a gente no Insta

@purebreakbrasil

Designer gráfico: a profissão enfrenta dificuldades, mas vem ganhando cada vez mais espaço no mercado de trabalho
Designer gráfico: a profissão enfrenta dificuldades, mas vem ganhando cada vez mais espaço no mercado de trabalho
Conheça todos os prós e contras de uma das profissões que mais tem crescido no mercado brasileiro.
A área de Design Gráfico vem ganhando mais e mais evidência e espaço, a medida que o tempo passa. Mas muitas pessoas ainda não sabem se como realmente funciona a profissão. Pensando em esclarecer o mercado de trabalho e estudos na área, o Purebreak convidou Reichan Calheiros, formado na área desde 2009 pela Faculdade Estácio e profissional da empresa Devign. Segue a dica aí e boa sorte!

Pré-requisitos

Para os que conhecem pouco sobre esse campo e sobre o que é feito ao exercer esse trabalho, o designer gráfico, em geral, traz ordem estrutural e forma à informação visual impressa. Para trabalhar com isso, é importante ser criativo, ter uma observação aguçada, sensibilidade artística, ousadia, senso estético, concentração, atenção aos detalhes, capacidade de análise, negociação e saber ouvir críticas e sugestões. Interesse pelas artes e trabalhar em equipe também são importantes para ser um bom profissional do design.

Reichan Calheiros, designer gráfico da empresa Redzero
Reichan Calheiros, designer gráfico da empresa Redzero

Expectativas do curso

Reichan entrou na faculdade sem saber muito o que queria. O rapaz gostava de desenhar e recebeu a recomendação para fazer tal curso. "Eu não sabia o que era design até começar. Não sabia o que, de fato, um designer fazia, e que não era ligado à ilustração. Na verdade, descobri que não é tão comum também serem ilustradores", declarou.

Experiência acadêmica e mercado de trabalho

O designer afirma que o processo acadêmico não é fácil, mas que vale a pena. "Noites viradas, plantão de manhã até à noite, correria e trabalho em equipe definem bem meu período de faculdade. Costumo dizer que o design expande sua mente e que nada mais é visto como antes", diz.

Reichan afirma que em consequência ao crescimento da área no mercado de trabalho é a grande procura de agências para empregos ou freelas e ainda por empresas que desejam ter sua própria área de criação. "É importante dominar um pouco dos principais segmentos de design gráfico e webdesign, para aumentar suas chances de concorrência. Tenha um bom portfolio, sempre atualizado e de preferência online, e nunca pare de aprender. E ser designer não é fazer artes bonitas, esse é o artista. Um designer trabalha criando soluções para as pessoas de forma criativa", garante.

Reichan - Designer Gráfico
Reichan - Designer Gráfico

Prós e contras da profissão

O profissional diz que a variedade no trabalho torna a profissão muito mais divertida. Outra vantagem colocada pelo designer é que, empregado ou não, você sempre poderá pegar trabalhos "freelas" e complementar sua renda.

Já como ponto negativo, o profissional pontua a competição. "No início de nossas carreiras, acabamos competindo no mercado com os famosos 'micreiros'. Eles não são designers, mas fazem 'a mesma coisa', de acordo com alguns clientes. Mas só se preocupe com isso no início da carreira, porque eles não te ameaçam em uma vaga de empregou ou em grandes trabalhos", finaliza.

Não curtiu a profissão? Relaxa, existem outras mil que podem se enquadrar aos seus gostos, e nós te ajudamos na escolha com muitas dicas! Fique ligado ao Purebreak!
(Escrito por Carolinne Rigotti)
Principais
notícias
sobre
o mesmo tema