Segue a gente no Insta

@purebreakbrasil

Parece que a rede social está fechando os olhos para um problema MUITO sério e o youtuber decidiu expor tudo em seu canal. No vídeo, Felipe contou como pedófilos conseguem ter acesso - com muita facilidade - a vídeos de crianças, chegando a fazer comentários desagradáveis. Vem entender tudo que está rolando.

Na última quinta-feira (21), Felipe Neto provou mais uma vez que está muito diferente do que era há um tempo atrás e expôs um problema MUITO grave na rede social. O youtuber decidiu usar seu próprio canal para mostrar uma situação que, pelo visto, é bem comum no YouTube: pedófilos consumindo vídeos de crianças. Ele ainda mostrou como o algorítimo da plataforma começa a indicar para essas pessoas mais conteúdo em que crianças aparecem de biquíni ou em poses "sugestivas".

Felipe começa o vídeo explicando como o YouTube está sendo usado por eles: "Infelizmente a gente vai ver como que, dentro do YouTube, a pedofilia está sendo usada por pessoas extremamente vis e perturbadas, para de fato disseminar conteúdo e interesse pedófilo pela plataforma. Basicamente galera, o que foi descoberto, é que dentro do YouTube existe uma forma de entrar numa espécie de um looping, onde você passa a receber só conteúdo de menininhas dançando ou fazendo acrobacias, usando pouca roupa ou fazendo festinha na piscina de uma maneira que seria inocente para qualquer outra criança assistindo - conteúdos criados para outras crianças - mas que são assistidos por milhões de pedófilos ao redor do mundo". Entenda:

Ele ainda mostrou como alguns youtubers já estão falando sobre esse assunto e divulgou a hashtag #YouTubeWakeUp, que chegou aos Trending Topics do Twitter.

Felipe Neto paga tratamento psicológico para Melody

Um pouco antes de expor essas atrocidades que acontecem no YouTube, Felipe se envolveu em outra polêmica. A intervenção na vida da cantora Melody, que era hiperssexualizada nos seus clipes, postagens e na forma de se vestir.

O carioca explicou que não faria nenhum tipo de conteúdo envolvendo o nome da jovem em seu canal enquanto isso não mudasse e depois divulgou que financiaria o acompanhamento psicológico dela e de sua irmã. Isso tudo com o objetivo de que as duas cresçam de forma "normal", sem toda a atenção que vinham recebendo por causa de seus corpos.

Atualização

O YouTube fez uma declaração sobre o caso:

"Qualquer conteúdo - incluindo comentários - que coloque menores em perigo é repulsivo e temos políticas claras que proíbem isso no YouTube. Nós tomamos ações imediatas, removendo contas e canais, reportando atividades ilegais às autoridades e desabilitando comentários em dezenas de milhões de vídeos que incluem menores de idade. Ainda há mais a ser feito e continuamos a trabalhar para melhorar e identificar abusos mais rapidamente."

Principais
notícias
sobre
o mesmo tema