9 Fotos
Veja as fotos!
O "BBB22" mal começou e já trouxe debates importantes! Na madrugada desta terça-feira (18), a participante do Pipoca, Natália Deodato, fez declaração polêmica sobre racismo e escravidão. Para ela, os negros foram escravizados porque "eram eficientes e fortes". A frase, obviamente, não pegou muito bem fora da casa e foi considerada uma visão romantizada da escravidão. Confira o que rolou!

É isso mesmo que você leu! O "Big Brother Brasil 22" começou há menos de 24 horas, com a chegada dos participantes na casa na última segunda-feira (17), e já temos candidata a vilã da temporada e debates super importantes sobre raça e racismo chamando atenção no reality. Na madrugada desta terça (18), Natália Deodato, integrante do grupo dos Pipocas, deu o que falar após declaração polêmica sobre escravidão.

Em uma conversa sobre negritude no Brasil, racismo e história do povo preto, a modelo - que é uma mulher negra - fez uma fala que não pegou bem mesmo: "Realmente tem a história que a gente veio... E viemos como escravos sim. Por quê? Porque a gente era eficiente. Porque a gente era forte [...] A gente era bom no que fazia", disse Natália.

Confira o momento:

Fora da casa mais vigiada do Brasil, Deodato recebeu várias críticas e algumas pessoas afirmam que ela está divulgando uma visão romantizada da escravidão. Vem entender!

Não tem "lado bonito" na escravidão

A fala de Natália tenta ver o lado positivo e até mesmo íntegro da escravidão. Afinal, aqueles pessoas foram escolhidas por que eram fortes, corajosas e trabalhadoras. Mas não é bem assim, como uma galera está tentando mostrar nas redes sociais. A graduanda em Pedagogia Tati Nefertari foi direto ao ponto: "A escravidão negra aconteceu por conta do racismo, da exploração racial. Nós não éramos 'bons' e sim tidos como inferiores e sem humanidade".

Se Natália tivesse razão, qual seria a "justificativa" para a escravidão dos judeus na Europa e os indígenas nativos na época da chegada dos europeus na América? O ato de escravizar determinado povo ou grupo, apesar de desumano, é recorrente na história.

Porém, os africanos eram trazidos de locais completamente diferentes e não tinham conhecimento do local, da vegetação e do clima do novo país. Além disso, pessoas de diferentes países, culturas e que falavam diferentes idiomas eram obrigadas a conviver. Tudo isso dificultava muito a resistência por parte dos negros escravizados, o que, estrategicamente, era bom para os colonizadores.

"A escolha foi econômica e ideológica", diz vereador

O vereador de Porto Alegre pelo PSOL, Matheus Gomes, também falou sobre o comentário de Natália. Ele reafirma o que foi defendido por Tati e diz que a escolha dos africanos como povo a ser escravizado não foi por acaso ou baseado em mérito das vítimas: "A história prova o contrário: a escolha do colonizador foi econômica e ideológica (racista)".

Além disso, Gomes ressalta que após a queda do regime escravocrata no Brasil - pelo menos legalmente -, muitos europeus vieram em busca de trabalho no país. Porém, os brancos eram vistos como "dignos" e uma defesa do "progresso", enquanto os pretos eram associados a "desordem" e "caos". Não porque isso é verdade, mas porque os trabalhadores europeus - que enfrentaram péssimas condições de trabalho - não eram vistos sobre a ótica do racismo.

Foi apenas o primeiro dia de "Big Brother", mas já vimos que vai ter muita discussão interessante na temporada de 2022!

Big Brother Brasil
Valorizou! "BBB23" deve aumentar o prêmio dos finalistas. Saiba o novo valor!
Após "BBB Dia 101", Arthur Aguiar debocha de participantes: "Vivendo em outro universo"
Jadré, tretas e mais: 10 coisas que queremos ver no "BBB Dia 101"
"Dia 101": veja os looks dos participantes do "BBB22"
ver todas as notícias de Big Brother Brasil Ver + matérias
Principais
notícias
sobre
o mesmo tema