Segue a gente no Insta

@purebreakbrasil

Desculpa o Textão: precisamos falar sobre educação sexual nas escolas?
Desculpa o Textão: precisamos falar sobre educação sexual nas escolas?
Polêmica no Purebreak! O Desculpa o Textão desta semana veio falar de um assunto que todo mundo fica meio constrangido na hora de falar sobre: sexo. Pois é, sabemos que é um tema delicado, mas que precisa ser discutido. Afinal, também é algo que envolve a saúde das pessoas, principalmente dos jovens - que não estão se cuidando direito.

Falar sobre educação sexual nas escolas se tornou um verdadeiro tabu. Com a popularidade de nosso presidente Jair Bolsonaro, que transformou essa ideia em "ideologia de gênero" - papo que ninguém entendeu direito ainda -, pais passaram a ter um verdadeiro horror a ideia de terem seus filhos expostos a qualquer assunto que tenha cunho sexual no ambiente escolar. De fato é um tema bem delicado, mas o Purebreak acredita que seja um debate muito necessário. E é justamente por isso que o Desculpa o Textão desta semana resolveu refletir sobre a importância de se discutir isso nas escolas.

Carmita Abdo, psiquiatra e professora da Faculdade de Medicina da USP (FM), fez uma pesquisa em 2017 com 3 mil pessoas, entre 18 e 80 anos, para analisar o comportamento sexual dos brasileiros. O estudo revelou que a maioria dos adolescentes começam a praticar sexto entre os 13 e 17 anos. Ou seja, no período em que ainda estão na escola. Além disso, também foi revelado que o uso de preservativos no Brasil é muito baixo na adolescência. Uma outra pesquisa realizada pelo Instituto de Geografia e Estatística (IBGE), feita entre jovens de 13 a 17 anos, mostrou que 35,6% não usaram preservativos na primeira relação sexual e que, quanto mais jovem, menos frequente o uso da camisinha. Complicado isso aí, né?

A verdade é que educação sexual nunca foi uma realidade na maioria das escolas brasileiras, mas é um assunto fundamental porque nós estamos falando também sobre a saúde desses jovens que estão começando a ter uma vida sexual mais ativa. Independente da cultura ou religião, as pessoas fazem sexo e isso vai acontecer na vida dos adolescentes, os pais aprovando ou não. Então, não seria melhor deixá-los cientes de tudo o que pode acontecer e como eles devem se proteger? Não é sobre estimulá-los a ter relações sexuais, e sim sobre deixá-los preparados para quando isso acontecer. Não falar sobre sexo, não evita que ele possa acontecer.

Falar sobre educação sexual nas escolas é importante porque ensina meninas e meninos a se protegerem e cuidarem da seu próprio bem estar. E mais do que isso, viu? Muitas garotas são assediadas e demoram a entender o que aconteceu justamente porque não possuem muita noção sobre sexo. Aliás, quanto mais cedo se levanta essa questão, mais protegidas estarão as nossas crianças. Só assim elas saberão identificar um toque inadequado e denunciar. E para completar, educação sexual é também falar sobre sexualidade. O mundo não seria um lugar com bem menos preconceito se os nossos jovens já conseguissem falar sobre esse assunto sem timidez ou sem torná-lo motivo de bullying? O Purebreak acredita que sim.

Principais
notícias
sobre
o mesmo tema