Segue a gente no Insta

@purebreakbrasil

O ativista foi eliminado nessa última terça-feira (2) e viu tudo que foi dito contra ele dentro e fora da casa mais vigiada do Brasil. Óbvio que a cena não foi nada agradável e o ex-participante chorou e disse que já está trabalhando com sua equipe e que já tem um advogado para representar o processo que vai mover contra Paula por preconceito.

Esse "BBB19", da Globo, tá a própria radiação de Chernobyl: desde o início, muitos comentários de conotação preconceituosa, sendo elas homofóbicas, racistas e religiosas, foram ditos por alguns participantes do reality, especialmente por Paula. E Rodrigo foi uma das maiores vítimas dessa situação. O agora eliminado do programa pôde ver tudo que foi dito e se emocionou ao participar do "Mais Você", também da emissora global.

Ao bater um papo com Ana Maria Braga, o cara relembrou os amigos que fez no reality:" O choro é por causa de rever pessoas na casa que quero para minha vida, mesmo sabendo que daqui a uma semana a gente vai se reencontrar. De ouvir o que eu disse e não me arrepender. Lógico que entrei num jogo para ganhar R$1 milhão e meio, mas têm acordos internos que fiz, que respeitei e não me arrependo, como honrar minha família e jogar de uma maneira que não seja errada. Estar ali dentro não era muito fácil", diz.

Rodrigo diz que já viu algumas das coisas erradas ditas no programa: "Hoje, vendo algumas imagens, têm algumas falas da Paula, Hariany e Carolina que não era o jogo que eu escolheria. Mas está tudo bem! Valeu muito à pena a troca que tive com a Gabriela, Rízia e Hana".

Luta contra o preconceito

O ex-brother ainda falou sobre os preconceitos que sofreu durante toda sua vida, tanto racial como religioso, e fala que não entrou na casa com o intuito de "mudar" ninguém. "Não cheguei nesse programa para catequizar ninguém. Pouquíssimas vezes falei, mas para uma pessoa que também é adepta. Mais uma vez colocaram o candomblé como algo maligno e perverso sem o cuidado de perguntar do que se trata. Têm casas de axé que são depredadas, que jogam fogo. Infelizmente, temos parte do setor público que é indiferente a essa causa. Não posso me calar de forma alguma", pondera.

"Talvez minha missão tenha sido provocar esse tipo de reflexão. Pouco importa sua orientação sexual, sua religiosidade. O que importa é sua história. Acredito muito nesse país. A gente precisa consertar, tirar essas mazelas sociais debaixo do tapete. É difícil falar a palavra racismo. Esse palavrão realmente dói, é difícil de ser dito, de ouvir e assumir. Em 2019, a gente ainda tem comportamento de Brasil Colônia. A gente ainda olha para o outro como inferior, como menor", finaliza.

Providências

Além disso, providências serão tomadas. Segundo o assessor de Rodrigo, Adalberto Neto, o produtor cultural pretende mover um processo contra Paula. "Ele quer tocar (o depoimento contra a Paula) e não apenas pelo que foi desferido contra ele, mas pela causa que ele defende. Pelas pessoas que ele representa e que isso não volte a ser reproduzido. Isso é o que ratifica o genocídio negro e o racismo", declara.

E aí, o que será que vai acontecer de agora em diante no "BBB19"? O reality passa todos os dias, na faixa das 22h30, na Globo!

Big Brother Brasil
Paula, vencedora do "BBB19", ainda se achou no direito de reclamar após denúncias
Provando que é a melhor campeã do "BBB", Gleici irá estrelar filme independente com temática LGBT
Grupo da Gaiola faz viagem para Arraial do Cabo e estamos empolgados com essa animação na van
E o Kaysar, quem diria, chegou aonde todos os ex-BBBs gostariam de chegar
ver todas as notícias de Big Brother Brasil Ver + matérias
Principais
notícias
sobre
o mesmo tema