Jornalista e entusiasta do pop, posso escrever o dia todo sobre Taylor Swift ou BLACKPINK, enquanto maratono minhas séries preferidas.
A autora de "Harry Potter" se envolveu em nova polêmica, sendo acusada mais uma vez de transfobia. J.K Rowling contraria parte da comunidade trans desde 2020, quando publicou artigo preconceituoso. Recentemente, a autora comemorou a volta de um perfil que afirmou que "preferia ter AIDS" ao defender pessoas trans. Relembre 4 vezes que J.K Rowling foi preconceituosa!

Tem gente que não sabe mesmo ficar quieta! Depois de ser alvo de grandes polêmicas, envolvendo acusações de transfobia, J.K Rowling, autora de "Harry Potter", se meteu em mais confusões com a comunidade LGBTQIAP+. Tudo começou na última semana, quando a britânica fez um tweet defendendo um usuário transfóbico.

Entenda a nova polêmica de J.K Rowling e relembre 4 vezes que a autora foi preconceituosa - de publicação de artigo até comentários envolvendo outras pessoas trans!

J.K Rowling apoiou transfóbico no Twitter

Quando J.K Rowling enviou mensagem para um usuário no Twitter, ninguém prestou muita atenção - afinal a autora é bem comunicativa na rede social do passarinho. Porém, logo uma internauta fez questão de explicar para quem era a mensagem e o que significava, de fato.

A britânica enviou um simples "bem-vindo de volta" ao usuário que teve sua conta no Twitter banida e que, posteriormente, retornou a ativa. Mas por que ele foi excluído da rede? Ele fez comentários extremamente transfóbicos, o que vai contra as diretrizes da empresa.

O homem é gay assumido e acredita que a comunidade trans pode ser uma forma de reprimir meninos não-héteros. Na rede social, ele escreveu: "Eu prefiro ter AIDs [a defender a comunidade trans]. Porque isso não castra meninos gays inocentes".

E mesmo assim J.K Rowling comemorou a volta do rapaz à rede social, reacendendo antigas acusações de transfobia.

Autora de "Harry Potter" citou mulher trans em discussão

Nesta segunda-feira (25), a britânica foi alvo de mais uma confusão, dessa vez envolvendo um grande nome da comunidade LGBTQIAP+. No caso, J.K Rowling chamou atenção para a Semana da Visibilidade Lésbica no Reino Unido, que teve início hoje. A criadora da ação, Linda Riley, não gostou do envolvimento da autora e foi ao Twitter deixar claro o seu posicionamento.

"Eu com certeza não criei a Semana da Visibilidade Lésbica para que pessoas como J.K Rowling a utilizassem como veículo para fomentar o ódio dentro de nossa comunidade. Este é um exemplo perfeito de como não ser um aliado", escreveu Riley.

Em seguida, a autora de "Harry Potter" decidiu rebater - se afundando ainda mais. Ela relembrou, com certo deboche, Alex Drummond, uma mulher trans que decidiu manter a sua barba.

"Aparentemente postar uma foto de mulheres lésbicas negras marchando pelos os seus direitos é fomentar o ódio, então aqui está uma foto de Alex Dummond, branca, com barba e lésbica aprovada pelo Stonewall".

J.K Rowling publicou artigo transfóbico em 2020

Todas as novas acusações de transfobia são apenas capítulos de uma história já antiga para J.K Rowling. A autora se envolveu em polêmica com a comunidade trans em 2020, quando publicou texto que questionava os direitos de pessoas transgêneras, apontando que o número de indivíduos que se arrependeram da transição parecia crescer.

"Estou preocupada com a grande explosão de mulheres jovens que querem fazer a transição e também com o índice de pessoas que estão fazendo o processo oposto (retornando ao sexo original) porque eles se arrependeram dos passos - incluindo alteração permanente dos seus corpos e infertilidade", escreveu a autora.

Ela questinou manchete inclusiva com pessoas trans

E, como já deu para perceber, J.K Rowling realmente quis se envolver no assunto. Também em 2020, ela questionou uma manchete de jornal, que dizia "pessoas que menstruam".

Para a autora, citar apenas "mulheres" seria suficiente - o que excluiria homens trans que menstruam, além de não levar em conta mulheres - cis e trans - que não possuem ciclo menstrual por diversos motivos.

Posteriormente, a britânica ainda fez questão de explicar o seu posicionamento: "Se sexo não é real, a vivência de todas as mulheres no mundo é apagada. Eu conheço e amo pessoas trans, mas apagar o conceito de sexo remove a capacidade de muitos discutirem a sua existência. Não é ódio falar a verdade", escreveu no Twitter.

Atores de "Harry Potter" rebatem fala transfóbica

Não demorou muito para que o assunto saísse da bolha das redes sociais e ganhasse notoriedade em entrevistas e falas de outros astros de "Harry Potter". Katherine Waterston, de "Animais Fantásticos", postou longo artigo defendendo a comunidade trans em seu Instagram, afirmando que sentia que tinha essa responsabilidade por fazer parte da saga. Muitos acreditam que isso está por trás de seu "sumiço" no terceiro filme da franquia.

Quem também já deixou sua posição clara foi Emma Watson, conhecida por interpretar Hermione Granger nos oito filmes de "Harry Potter". Além de já ter falado em entrevistas que mulheres trans são mulheres assim como todas as outras, a atriz deu uma cutucada recente em J.K Rowling. No BAFTA de 2022, Emma foi apresentada no palco por Rebel Wilson, que disse: "Aqui está Emma Watson. Ela se diz uma feminista, mas todos sabemos que é uma bruxa".

Em seguida, a britânica sobe no palco e diz estar lá representando todas as bruxas - dando foco evidente na palavra "todas". Muitos entenderam a indireta para J.K Rowling e logo a fala se tornou assunto nas redes sociais.

Até quando vamos ser obrigades a ver nossa saga preferida sofrer com a transfobia de J.K Rowling?

Principais
notícias
sobre
o mesmo tema