Segue a gente no Insta

@purebreakbrasil

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) pode fechar as portas em julho por falta de orçamento
A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) pode fechar as portas em julho por falta de orçamento
O desmonte da educação pública é uma das mais tristes realidades do Brasil em 2021. Em tempos de crise por conta da pandemia da Covid-19, a UFRJ, a maior universidade federal do país, pode fechar as portas por falta de orçamento. Por que você deveria estar se importando (e muito) com isso? A gente te explica.

Não deveria ser novidade para ninguém que, em um país com tamanha desigualdade social como o Brasil, todos deveríamos lutar para garantir uma educação pública de qualidade. Mas essa não é a postura que o atual governo está tomando. Em um artigo escrito para o jornal O Globo, Denise Pires de Carvalho e Carlos Frederico Leão Rocha, reitora e vice-reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) escancararam a triste realidade da educação pública: a universidade pode fechar as portas em julho, por falta de verbas.

A reitora aponta que o orçamento para a UFRJ tem sido radicalmente cortado desde 2013. Agora, em meio a crise na educação por conta da pandemia da Covid-19, o dinheiro repassado para a universidade para gastos discricionários - como contas de luz e manutenção da estrutura - representa apenas 38% do orçamento em 2012. Acontece que o número de alunos hoje é quase o dobro do que na época - o que, em um cenário ideal, seria uma realidade ótima, já que significaria um avanço no acesso igualitário à educação. Mas, sem dinheiro, as universidades federais não tem como bancar a estrutura necessária para manter nem os alunos, nem as pesquisas científicas.

Sim, a UFRJ fechar as portas não significa apenas um baque para os estudos dos alunos. Significa o fechamento do Hospital Universitário e outras unidades de saúde, bibliotecas, museus - incluindo o Museu Nacional, a instituição científica mais antiga do Brasil - e laboratórios. As pesquisas de duas vacinas nacionais para a Covid-19 serão interrompidas, o que deve atrasar mais ainda a vacinação no país. Ou seja: o fechamento da universidade cria um efeito dominó, que afeta todos nós.

Dinheiro bloqueado impede que universidades paguem contas

Esta não é uma realidade apenas da UFRJ. As instituições públicas de ensino estão sobrevivendo como podem em todo o país, encarando mais e mais cortes a cada ano. O Painel do Orçamento Federal mostra que estão disponíveis R$2.5 bilhões para 69 universidades federais em 2021. Parece um valor alto, olhando assim, né? Mas não é o suficiente para manter os 1,3 milhões de estudantes do Brasil, e nem todo esse valor é de fato liberado para o uso das instituições.

Em artigo, a UFRJ explica: dos R$299 milhões aprovados para a universidade em 2021, apenas R$ 146,9 milhões foram liberados. E dos R$152 milhões restantes, R$41,1 milhões foram bloqueados pelo governo federal.

UFRJ: do dinheiro aprovado para o orçamento em 2021, R$41,1 milhões foram bloqueados pelo governo federal
UFRJ: do dinheiro aprovado para o orçamento em 2021, R$41,1 milhões foram bloqueados pelo governo federal

Esse dinheiro seria direcionado para o pagamento de contas de luz, água, limpeza, segurança e basicamente tudo o que mantém a universidade de pé. Os cortes e bloqueios significam que, para o governo federal, a educação e a pesquisa científica não são prioridade. Estamos presenciando o absurdo e escancarado desmonte da educação pública, e isso deveria importar para todo mundo, não apenas os estudantes.

O Brasil precisa das universidades federais, para garantir o futuro da ciência e da pesquisa no país. A população precisa das universidades federais, para que mais pessoas se profissionalizem e encontrem boas oportunidades de carreira. Um país sem educação é um país sem futuro.

Você pode demonstrar o seu apoio à UFRJ no abaixo assinado em defesa da liberação de orçamento, aqui.

Principais
notícias
sobre
o mesmo tema