Rahabe Barros Redatora
Libriana, boa de papo e apaixonada por reality show. Louca por gatos, não vivo sem café e com planos de dar uma volta ao mundo são outras curiosidades ao meu respeito. Após 10 anos, sigo encantada pelo jornalismo e por essa evolução diária da comunicação
Ballroom culture: conheça a arte criada pela comunidade negra queer
9 Fotos
Veja as fotos!
A Ball culture criou um espaço acolhedor e não crítico para a comunidade queer construir seu senso de identidade em seu próprio mundo oculto, livre das restrições que a sociedade dominante impõe ao gênero e à expressão sexual. O Purebreak separou detalhes sobre essa arte LGBTQ+ afro-americana e latina que se originou na cidade de Nova York. Acompanhe a história!

O Ballroom culture, ou cultura de baile, surgiu na década de 1920 e em torno da cidade de Nova York. No início, os artistas consistiam principalmente de homens brancos fazendo desfiles de moda drag. Rainhas negras raramente participavam e, quando o faziam, esperava-se que iluminassem seus rostos. Fartas da restrição e racismo, na década de 1960, as rainhas negras Crystal LaBeija e sua amiga Lottie começaram seu próprio baile drag intitulado "House of LaBeija" e isso deu início à atual cena de salão de baile.

A partir de então, a comunidade negra queer do Ballroom estabeleceu sua própria cultura de baile underground e iluminou temas de raça, gênero e orientação sexual dentro da sociedade.

Jovens queer encontraram segurança nos anos 70

You Need These 6 Vogueing GIFs in Your Life | Paris is burning, Vogue  dance, Ballroom aesthetic

Lá pela década de 1960 continha poucas categorias, com predominantemente rainhas retratando showgirls de Las Vegas. No entanto, os motins de Stonewall, em Nova York, quando pessoas queer não brancas enfrentaram a polícia, mudaram as percepções dentro da subcultura: de sentir-se culpado e apologético a sentimentos de auto-aceitação e orgulho.

Já nos anos 70, houve uma expansão à medida que os eventos aumentaram seus números e tipos de categorias para permitir a inclusão e o envolvimento de todos. Os bailes se tornaram um espaço seguro para jovens queer de cor, principalmente negros e latinos/latinas, se expressarem livremente.

Como funcionava as competições?

Com este novo reino da Ballroom culture veio o desenvolvimento da competição, que consistia em toda uma linguagem de conceitos, categorias, danças e gírias que são exclusivas da subcultura. Os participantes "andam" ou "competem" em um palco ou passarela por prêmios, exibindo sua roupa junto com sua personalidade para diferentes categorias.

As apresentações são julgadas pela moda, aparência e dança de um concorrente. Uma categoria comum é "Realidade", onde os participantes de drag são julgados por sua capacidade de "passar" como homens ou mulheres heterossexuais. Outras categorias comuns incluem "executivo de negócios", mais bem vestido e "rainhas butch em bombas". Nem todas as apresentações consistem em travestis; algumas categorias comuns incluem mulheres destacando sua feminilidade e homens destacando sua masculinidade.

Voguing: a dança que ficou famosa pela música de Madonna

ballroom culture | GIF | PrimoGIF

A dança Voguing utiliza movimentos estilizados do braço, poses afiadas e movimentos rápidos e baixos do pé. Os participantes do Ballroom usam suas performances para comunicar informações específicas sobre si mesmos aos outros. Os bailes, assim, criam um espaço acolhedor e não crítico para a comunidade queer construir seu senso de identidade em seu próprio mundo oculto, livre das restrições que a sociedade dominante impõe ao gênero e à expressão sexual.

Ballroom culture se tornou a "casa" e "família"

muitos dos participantes sentiram que não podiam expressar abertamente sua sexualidade e identidade de gênero dentro de suas famílias biológicas. Para preencher esse vazio, surgiram grupos denominados "casas" ou "famílias". As casas servem como única fonte de família para muitos participantes do baile.

Muitos jovens queer participam de bailes ainda jovens e, às vezes, moram com suas casas se não puderem viver com segurança com sua família biológica. Essas famílias alternativas são lideradas por "mães", que são principalmente butch queen (homens gays) ou femme queen (mulheres transgêneros) ou "pais", que são principalmente butch queen ou butches (homens transgêneros).

Ah, além disso, Existem hierarquias tanto dentro das casas quanto nos reinos competitivos; certas drag queens e houseparents são legados e ídolos dentro da comunidade.

Ballroom culture e seus valores

Por fim, a cultura drag de salão resiste ativamente às normas culturais dominantes da sociedade. Os participantes da comunidade criam um novo espaço para desafiar diretamente os papéis tradicionais de gênero e identidades heteronormativas.

Eles usam bolas para expressar essas categorias restritivas e revelar seus abusos como transgêneros, gays e grupos minoritários. As casas oferecem um espaço para que os jovens queer se sintam apoiados. Os bailes resistem a essas normas por meio da flexão de gênero através das roupas e dos maneirismos das rainhas e reis.

Principais
notícias
sobre
o mesmo tema